De acordo com uma estimativa de uso de espaço elaborada em território americano, pessoas passam 46% do período que estão acordadas na cozinha. Sejam as refeições com a família, o preparo de um jantar especial ou os furtos na geladeira tarde da noite, esse cômodo já viu e viveu muitas situações memoráveis.

Que tal, então, uma reforma da cozinha para honrar esse ambiente quase “membro” da família? Com a reforma você pode ganhar espaço e deixar o design mais estimulante e confortável para os vários momentos de preparo de refeições e experimentos culinários.

Agora, para garantir a qualidade da obra e evitar diversas dores de cabeça durante e após o processo de reforma, é importante tomar alguns cuidados. Quer saber quais? Então confira nossa lista com uma seleção de dicas imperdíveis preparada para você.

1. Planeje a disposição dos eletrodomésticos

Na hora de trocar os armários e bancadas, tenha em mente onde cada item da sua cozinha vai ficar. Afinal, os eletrodomésticos precisam de uma tomada por perto para funcionar.

Uma questão importante a considerar é o número de itens que precisam de energia elétrica. Ligar diversos aparelhos em uma única tomada, por meio das famosas “gambiarras”, oferece riscos enormes de choques e curtos — que ainda podem iniciar incêndios e levar a consequências muito mais graves.

Para evitar esse problema, defina um espaço para cada eletrodoméstico no projeto da reforma. Assim, é possível realizar as instalações específicas para cada item durante a obra.

Defina também a carga de energia necessária para atender a todos os aparelhos. Muitas vezes é preciso alterar o quadro de luz para que aparelhos 220v também possam ser ligados à rede. É preciso ainda verificar a tubulação de água na parede, para saber se o espaço comporta uma máquina de lavar louças, por exemplo.

2. Selecione a pedra certa para a bancada

A bancada é a parte da cozinha que permanece molhada pela maior fatia de tempo, tornando-a ambiente muito propício para o acúmulo de bactérias. Por essa justificativa, o ideal para a pedra da bancada é um material menos poroso e que absorva pouca água. 

Mármores — principalmente o mármore branco, muito utilizado antigamente —, apesar de elegantes e bonitos, absorvem muita água e mancham facilmente, portanto, não são uma boa opção. Opções de granitos menos porosos são: Ás de Paus, o Preto São Gabriel e o Verde Ubatuba, ou ainda o Branco Itaúnas e o Amarelo Icaraí, que podem ser impermeabilizados.

Porcelanatos com baixa absorção de umidade são ótimas pedidas ao elaborar o projeto da bancada. Isso porque, com a tecnologia de impressão digital em alta definição, é possível replicar diferentes tipos de padronagem com perfeição: imitando madeiras naturais, pedras como o mármore, materiais granitos, dentre outros. 

Outra dica é pensar em fazer uma divisão na pedra da bancada, separando uma área para a cuba e que geralmente ficará molhada, e outra para o preparo dos alimentos, que pode ser mantida seca e limpa. Se a ideia é instalar um cooktop na bancada, coloque-o nessa área seca, pois é um utensílio que não lida bem com umidade.

3. Atenção à tubulação

Este é um pré-requisito ao reformar a cozinha. Tubulações de imóveis antigos, normalmente feitas com canos de ferro galvanizado, podem enferrujar e contaminar a água. Portanto, aproveite a reforma para trocar a tubulação antiga por canos de PVC, que são mais modernos e eliminam esse risco.

Além disso, tubulações mal elaboradas possivelmente vão gerar problemas com água fria. É importante saber quais tubos serão usados e testá-los, para verificar a qualidade do material e da obra. Contrate um encanador profissional que possa orientá-lo na compra das peças e no projeto em si. Afinal, não adianta ter louças e torneiras magníficas se a instalação for inadequada.

Coloque também um registo específico para a cozinha, assim como para cada cômodo que tiver um ponto de água. Dessa forma, você consegue fechar apenas o registro do cômodo onde aparecer algum problema, evitando o transtorno de ficar sem água na casa toda.

4. Escolha acabamentos adequados

Os acabamentos são responsáveis por grande parte do charme da cozinha, pois ocupam todo o ambiente e são o primeiro item observado ao adentrar o cômodo. Por isso, é importante investir no material certo para garantir qualidade na instalação, elegância e durabilidade.

As cerâmicas e os porcelanatos são os mais indicados para a cozinha, uma vez que são impermeáveis e fáceis de limpar. Entretanto, as cerâmicas sofrem influência do clima do ambiente, potencializando o calor emitido pelos eletrodomésticos.

Esse calor pode prejudicar argamassas e rejuntes quando esses não são preparados para se dilatar ou contrair. Assim, o revestimento pode receber trincas que comprometem sua durabilidade e beleza. Portanto, na hora da instalação, procure por materiais que suportem a alteração do calor e resistam a uma leve mudança de tamanho.

Todavia, cerâmicas e azulejos amplificam o som de alguns eletrodomésticos barulhentos, como o liquidificador. Portanto, para minimizar esse efeito, opte por colocá-los apenas nas áreas molhadas (chão e bancadas). O restante do ambiente pode ser constituído de outro material — com um simples aditivo impermeabilizante —, diminuindo a propagação de ruídos

5. Conheça a estrutura do cômodo

É de suma importância, antes de efetuar qualquer reforma, checar o projeto de construção da residência para conhecer toda a estrutura do cômodo. Assim, você evita fazer furos em locais errados e derrubar paredes que comprometam a solidez do edifício.

Principalmente em apartamentos, em que a construtora não permite mudanças estruturais internas, é preciso verificar se a parede ou o piso permitem alterações. Uma dica é verificar os pontos onde estão ligados os aparelhos a gás. Isso serve como referência para saber que existem tubulações na parede e, assim, evitar furá-la.

Durante a obra, é fundamental assegurar a integridade das tubulações de gás, água e eletricidade, uma vez que podem ocasionar acidentes gravíssimos e comprometer a estrutura do restante da casa. Por isso, tenha sempre em mãos a planta da residência.

6. Contrate profissionais habilitados para projetos elétricos e hidráulicos

Embora uma reforma pequena pareça simples, existem diversos aspectos numa obra que podem passar despercebidos para alguém que não seja da área e que causarão transtornos no futuro. Por isso, para evitar qualquer problema na parte elétrica e hidráulica, contrate o serviço de profissionais para realizar o projeto dessas áreas.

Um projeto de instalação elétrica prevê diversas questões, como carga da rede, quais eletrodomésticos precisam de aterro, número de tomadas, entre outros aspectos que vão garantir a segurança da instalação e um perfeito funcionamento dos seus aparelhos.

O projeto hidráulico também garante a correta instalação da tubulação e a qualidade do material utilizado. Um profissional saberá definir quais equipamentos suportam a pressão de água da sua residência, por exemplo, e como organizar a tubulação de acordo com a disposição necessária.

Como é possível perceber, a reforma da cozinha envolve muitos aspectos a serem pensados e planejados nos bastidores da obra. Prever a disposição de diversos itens, planejar saídas e entradas de água, luz e gás e trocar tubulações antigas por novos, entre outros, são fatores que impactam na qualidade da obra e devem receber atenção redobrada.

Gostou das dicas e quer saber mais sobre como reformar e decorar sua casa? Então siga nossa página no Facebook e tenha acesso a diversas informações sobre reforma, construção e decoração!