Um dos segredos por trás de uma decoração bem pensada com certeza está na escolha da tabela de cores. Porém, usá-la pode ser um grande desafio, ainda mais para quem não tem tanto tempo assim para aprender a teoria completa sobre o uso das cores. 

A verdade é que, depois que você decide por uma paleta, se torna muito mais fácil decorar a sua casa. Afinal, com algumas regras já definidas, você não tem medo de errar ao comprar os itens de decoração e ainda foge de equívocos que podem “estragar” o clima do ambiente. 

Muita coisa para pensar, não é mesmo? Não se preocupe! Neste artigo, você vai descobrir as principais regras e dicas para usar uma tabela de cores com eficiência e praticidade, conciliando a teoria com a prática!

Aprenda a planejar a decoração de sua casa 

Primeiramente, é essencial que você descubra os benefícios de planejar a decoração de seu lar. Não adianta tentar definir uma tabela de cores se você ainda não sabe muito bem o que quer para o estilo da casa. 

Pode parecer complicado pensar na decoração inteira, e é mesmo. Mas algumas dicas ajudam a planejar o processo, e você pode conferi-las abaixo. 

1. Siga uma tendência

Em vez de planejar toda a decoração de uma vez, você pode apostar em um estilo mais específico. Optando por isso, você consegue pensar em tudo como uma única identidade, e então fica mais fácil definir a tabela de cores. 

2. Pense nas necessidades da família

O essencial é que você opte por aquilo que mais lhe agrada e combina com seu estilo de vida. Pense também nas necessidades da família: vocês costumam receber muitas visitas? Usam mais os quartos do que a sala de estar?

Essas perguntas, que parecem tão simples, definem o que você precisa ter na decoração. Ou seja, você deve pensar com ainda mais cuidado nas cores do quarto, por exemplo, se a família o usa muito.

Aprenda o que é a roda das cores 

Definir o estilo e planejar o que você quer para a decoração é só o primeiro passo e, se você para o processo por aí, pode acabar com uma grande decepção. Afinal, mais que tudo, o visual dos ambientes precisa manter uma harmonia, mesmo que muito sutil. 

Primeiramente, é importante que você lembre daquelas regrinhas básicas que aprendeu ainda na escola: existem as cores primárias, secundárias e terciárias, que formam o círculo cromático. 

Inventado há mais de 300 anos, o círculo dá base teórica para os profissionais combinarem cores e tonalidades. Através dele, você visualiza não apenas tons que combinam por serem parecidos, mas também os que se complementam. 

Basta olhar para a cor que está do outro lado do círculo e você identifica esse processo, tornando a tabela de cores algo mais simples de elaborar. Por exemplo, olhando para o círculo cromático, você consegue identificar que a cor complementar para verde é o vermelho.

E, quanto às cores em si, você conhece muito bem. As primárias são vermelho, azul e amarelo, enquanto as secundárias são formadas por misturas dessas primeiras. Da mesma forma, uma cor terciária se forma quando juntamos uma primária e uma secundária. 

O essencial é que você visualize que existem 12 cores nessa roda e que formar combinações entre elas pode vir de dois processos, que você confere abaixo. 

1. Cores análogas

Ao escolher uma tabela formada por cores análogas, você vai apostar na semelhança. Essa opção consiste na escolha de tons próximos dentro do círculo, apostando em uma decoração mais monocromática.

Essa é a maneira mais simples de construir uma paleta, porque é muito mais fácil acertar quando você usa cores de uma mesma família. Ou seja, se você quer apostar no azul como a cor principal de um ambiente, pode combinar com tonalidades entre o azul-esverdeado e até o roxo.

2. Cores complementares

A teoria por trás das cores complementares soa um pouco mais complexa, mas se torna simples se você tem o apoio da roda de cores. Aqui, o segredo por trás do sucesso está em escolher aquelas que são diretamente contrárias umas às outras, mas se complementam. 

Um exemplo é o roxo e o amarelo, ou ainda o vermelho e o verde. Quando unidas, as cores complementares dão vida ao ambiente e servem principalmente para destacar sua tonalidade preferida. 

Descubra quantas cores escolher

Você não precisa se limitar a uma quantidade específica de cores, e esse é o melhor da decoração: você tem liberdade para soltar a criatividade! Porém, quanto mais tons você usa, mais difícil fica conciliar todas as tonalidades de tintas

E, se você erra na mão, pode criar um ambiente pesado e sem sincronia com os outros. Então, tudo vai depender do seu projeto de decoração e da sua personalidade, como você pode ver logo abaixo.

Entenda como optar por uma combinação harmônica

A decoração harmônica, que usa como base cores análogas, é mais simples de fazer e passa uma imagem de sofisticação e conforto. E a maior aliada desse tipo de décor é a neutralidade. 

Portanto, se você quer apostar em um visual harmônico, que passa tranquilidade e segurança, abuse dos tons neutros e combine-os com a outra tonalidade que você escolheu anteriormente. A mobília deve ser protagonista e possuir as cores mais marcantes.

O segredo, aqui, é você não fugir da cor escolhida quando formulou a tabela de cores, mas pontuar o ambiente com um ou outro item de decoração com uma tonalidade contrastante. 

Confira como ousar e apostar em uma decoração com contrastes

Se o seu estilo já é mais ousado e você gosta de uma decoração impactante, apostar no contraste é uma ótima ideia. E o objetivo, aqui, é criar um ambiente destoante, mas sem exageros. 

Nesse caso, usar uma paleta focada em cores complementares é crucial. Para não criar um ambiente pesado, use as tonalidades mais marcantes em móveis e itens de decoração, e aposte em paredes brancas.

Em alguns casos, uma ou outra parede preta também pode marcar bem o ambiente, combinando perfeitamente com as cores mais vivas da sua tabela!

Se você está pronto para formular sua tabela de cores e mudar a cara de sua casa, assine a nossa newsletter! Dessa forma, você receberá por e-mail outros artigos como este, cheios de dicas e segredos para decorar seu lar!