A vida agitada dos grandes centros urbanos faz parte da rotina de muita gente. Mas esse cotidiano não significa necessariamente uma paisagem cinzenta e poluída, certo? Um jardim vertical dentro de casa, por exemplo, é um poderoso aliado da qualidade de vida.

Seja em casas maiores ou mesmo em apartamentos pequenos, os jardins verticais se consolidaram como uma grande tendência de paisagismo. Um jardim vertical difere dos tradicionais pela disposição com o qual é construído: plantinhas e arranjos organizados uns acima dos outros, suportados por algum tipo de estrutura pré-montada. Uma simples faixa verde já é capaz de combater as ilhas de calor e fumaça dos centros urbanos, trazendo ar fresco e aconchego para o seu lar.

Pensando nisso, trouxemos este post com sete dicas para você fazer um jardim vertical elegante e de qualidade, combinando a leveza da natureza com o décor da sua casa e os traços da sua personalidade. Inspire-se!

1. Importância da luz natural

Quando falamos em jardins — seja no quintal de casa, verticais ou os famosos jardins de inverno — a prioridade é a mesma: favorecer a entrada da luz natural, pois é isso que vai garantir o cultivo saudável das plantas e a beleza da sua área plantada.

Portanto, antes de sair comprando plantas e vasinhos, estude a arquitetura da sua casa. Se for o caso, conte com a ajuda de um profissional de paisagismo para aproveitar o máximo potencial da incidência solar.

Essa tarefa fica muito mais fácil se a sua ideia for fazer o jardim vertical nas áreas externas ou varandas. Mas saiba que é plenamente possível montar o jardim dentro de casa. Basta escolher o cantinho ideal, como aquele corredor ventilado e com janelas extensas. Que tal?

2. Ambientes internos para jardim vertical

Como dissemos, você não precisar ficar preso aos jardins convencionais, montados nas paredes da varanda ou muros do quintal. É claro que essas opções têm lugar cativo quando o assunto é paisagismo.

Mas é importante não desconsiderar o potencial dos ambientes internos na hora de montar o jardim. Principalmente, quando falamos em apartamentos pequenos, pois nem sempre é fácil encontrar espaço para um jardim em sua residência.

Além de priorizar pontos de incidência solar, lembre-se de aproveitar aqueles cantinhos “escondidos” no apê para cultivar o jardim e dar vida ao cômodo: pode ser no vão do corredor, no recuo da escada ou lavabo e, até mesmo, como divisor de ambientes integrados, como living e cozinha.

3. Combinação de materiais

Madeira, pedra e fibra. Escolha qualquer um desses materiais e não terá erro! Quando falamos em plantas, combiná-las com outros elementos naturais — como pedras, madeiras maciças e fibras de bambu — é garantia de uma ornamentação bem-sucedida.

Esses materiais têm o poder de transformar o seu jardim vertical em uma mini floresta, para que você possa se sentir acolhido, confortável e relaxado a qualquer hora do dia. Portanto, quando for investir em poltronas, mesinhas, cadeiras ou banquetas para o seu jardim, já sabe que tipo de material escolher!

Apenas lembre-se de considerar a resistência dos móveis externos, quanto ao calor e umidade da área. Caso o entorno do seu jardim vertical não receba luz natural o dia todo, vale impermeabilizar a área com a ajuda de profissionais especializados, evitando mofo e infiltrações.

4. Jardins verticais para áreas extensas

Veja as opções de materiais mais adequados para a confecção de um jardim vertical em áreas de maior metragem.

  • Blocos cerâmicos ou pré-moldados

Esses blocos já se tornaram os queridinhos na composição de jardins verticais. Por conta de sua versatilidade, combinam com qualquer tipo de décor, podendo funcionar também para ambientes menores, já que é possível encontrar blocos em tamanhos variados.

As opções em cerâmica costumam ser instaladas lado a lado, em altura e extensão pré-determinadas. O substrato para as plantas fica concentrado no vão central de cada bloco.

Os blocos pré-moldados geralmente são comercializados em duas versões: ferro fundido — com jardineiras acopladas em série — e concreto fundido — com jardineiras acopladas em zigue-zague.

Ambos são indicados para instalação rente a muros extensos e impermeabilizados, criando uma sensação única de aconchego e relaxamento. Mas também é possível instalar blocos cerâmicos ou pré-moldados sem a necessidade de apoio, pois as peças possuem aberturas para vigas de sustentação.

  • Painéis naturais

Painel de madeira de reflorestamento, painel de fibra de coco ou, até mesmo, um painel feito a partir do reaproveitamento daquele velho estrado de cama. Nada pode ser mais coerente do que investir em painéis amadeirados ou fibrosos para sustentar o seu jardim vertical!

Além de explorarem ao máximo aquela ideia de natureza dentro de casa, os painéis garantem mais sofisticação e elegância para o jardim, criando atmosferas de continuidade e profundidade sensorial.

5. Jardins verticais para áreas menores

Um jardim pequeno pode sim reunir charme, leveza e, claro, muita elegância para o seu apê. Aposte nessas opções criativas e funcionais!

  • Treliças e vasos coloridos

Basta chumbar a treliça metálica na parede ou muro e prender os vasos com ganchinhos. Simples, não? O mais interessante nessa ideia é a possibilidade de brincar com a extensa gama de combinações entre as cores e os tamanhos dos vasinhos. Quanto mais colorido, mais charmoso ficará o seu jardim!

  • Canos de PVC

Aproveite os canos que restaram daquela antiga reforma e utilize-os para cultivar suas espécies preferidas. É só cortá-los em formato de vaso e, se preferir, pintá-los com tinta spray para deixar tudo mais alegre. A instalação deve ser feita com parafusos ou ganchos.

  • Garrafas pet

Além de ser uma técnica barata, essa opção tem tudo a ver com sustentabilidade. Utilizar garrafas pet para abrigar as plantinhas é ideal também para quem quer otimizar o espaço, já que elas podem ficar suspensas e presas por cordas de varais.

  • Pallets

Assim como as garrafas pet, essa também é uma opção prática e de baixo custo para montar o seu jardim vertical. Sem falar que os pallets estão com tudo! Práticos e versáteis, esses famosos caixotinhos de feira são fáceis de instalar e de combinar: basta pregá-los na parede ou muro e brincar com ornamentações rústicas ou mais delicadas.

6. Plantas adequadas

Essa dica é imprescindível. Afinal, para manter um jardim bonito e saudável, é preciso escolher plantas adequadas ao lugar e ao clima. Se você optar por instalar o jardim vertical em ambientes internos, escolha plantas que demandam baixa luminosidade, como lírios, singônios e espadas de São Jorge.

Já para as áreas externas, abuse das espécies de sol pleno ou meia-sombra. Hortênsias, gerânios e begônias são opções que permitem extensa combinação de cores e necessitam de cerca de quatro horas de sol diretamente sobre elas. Já as clássicas orquídeas, antúrios e violetas não devem ser expostas ao sol do meio-dia.

7. Cuidados com a rega

Não é segredo que planta saudável precisa não só de luz, mas também de água. Se o seu jardim vertical for pequeno — interno ou restrito à sacada, por exemplo — basta regá-las manualmente e de maneira regular.

Já para quintais ou áreas extensas, o ideal é investir em um sistema de irrigação automatizado, que vai garantir a rega adequada das espécies conforme o clima e a incidência solar no local.

Dito isso, agora sim você já pode ir às compras e escolher os materiais e plantas que mais combinam com você e com o seu jardim vertical. Para ficar por dentro de outras tendências de decoração e paisagismo, siga nossa página no Facebook!