Não é segredo que uma iluminação de ambientes impecável é capaz de transformar qualquer tipo de cômodo. Combinando lâmpadas e luminárias da maneira adequada, é possível garantir não só o melhor conforto visual no recinto, mas também criar os mais diversos cenários e sensações, refletindo amplitude, suavidade e aconchego.

Mas, afinal, como conseguir esses efeitos? Ao contrário do que muita gente pensa, elaborar um projeto de iluminação adequado não exige qualquer fonte de luz celestial ou estratégias complicadas. Também não precisa custar rios de dinheiro, embora seja fundamental investir em materiais de qualidade.

O caminho para uma iluminação de ambientes perfeita consiste em três passos: a escolha de luminárias adequadas para o cômodo, o posicionamento correto dos feixes de luz e a combinação dos elementos luminosos com os demais itens do décor. Seguindo esses passos, não tem erro. Acompanhe a leitura e veja como fazer!

Que tipo de iluminação escolher para meu projeto?

O pontapé inicial para um projeto de iluminação moderno, prático e sofisticado está na escolha da luminária certa, que deve ser feita conforme a função e a arquitetura do ambiente. Portanto, o primeiro passo é escolher uma luminária de tamanho proporcional ao espaço onde ela será instalada.

Se sua sala é pequena e o pé-direito não é tão alto, o melhor é optar por peças mais discretas ou modelos embutidos. Já para ambientes integrados, com conceito aberto e pé-direito duplo, peças grandes e chamativas têm tudo para cair muito bem.

Ainda sobre áreas conjugadas, a premissa é básica: deve-se buscar uma mesma linguagem visual para todas as luminárias, já que os cômodos conversam entre si. Para não tornar a decoração monótona, é possível utilizar materiais idênticos nos spots e luminárias embutidas e brincar com lustres e abajures de cores diferentes ou design diferenciado, por exemplo.

Lâmpadas quentes ou frias?

Salas de TV e dormitórios pedem lâmpadas amareladas e quentes, já que são locais de lazer e descanso, em que aconchego e conforto devem ser as palavras de ordem. A luz branca e fria deve ser priorizada nos locais de maior circulação, de atividades intensas ou que demandem muita concentração, como escritório, lavabos, cozinha e lavanderia (não que isso seja uma regra, mas, seguindo essa lógica, você se livra do risco de errar).

Se houver disposição para experimentar diferentes feixes, você pode brincar com a instalação de lâmpadas amarelas e brancas em um mesmo ambiente, cuidando para sempre manter um equilíbrio.

A luz do quarto, por exemplo, deve ser amarela e mais suave. Porém, se você tem um espacinho de home office no dormitório, será necessário instalar pelo menos uma luminária de luz branca e fria sobre a escrivaninha, estimulando o foco e a concentração. Mas não vá escolher uma lâmpada muito intensa, pois um feixe muito forte pode ofuscar a luz da tela do computador ou dificultar a visão de quem está lendo.

Na iluminação da cozinha, vale o mesmo raciocínio: invista em uma luz branca central (que vai iluminar o ambiente como um todo) e instale pendentes com lâmpadas amarelas sobre a mesa de jantar ou bancadas de refeição, criando um clima mais intimista e acolhedor para os jantares.

Outra boa ideia é instalar um dimmer para controlar melhor a intensidade da luz nesses ambientes. Não se esqueça de que, além de clarear o ambiente, as luminárias têm enorme potencial decorativo. Por isso, a regra de ouro é sempre combiná-las com a arquitetura do cômodo e o estilo do décor.

Lustre, luminária ou pendente?

Quando o assunto é iluminação de ambientes, é mais comum utilizar o termo “luminária” para se referir às instalações. Porém, existem algumas diferenças básicas entre os tipos de peças disponíveis no mercado. A nomenclatura tem a ver com o caimento e a instalação de cada modelo. Veja as principais diferenças.

Lustre

Lustres são sinônimos de luxo e sofisticação em qualquer projeto luminotécnico. As ramificações, que são sua principal característica, permitem instalar diversas lâmpadas, tornando-os ainda mais imponentes.

Outra diferença em relação às luminárias e pendentes é que o lustre fica suspenso no teto, mas não necessariamente pendente no cômodo, podendo ser embutido no forro. São muito utilizados nas áreas de convivência da casa, como living e sala de jantar.

Antes de escolher o lustre, preste muita atenção no tamanho do ambiente em que você pretende instalá-lo. É preciso respeitar as proporções para um resultado harmonioso, principalmente porque os lustres são peças mais chamativas por si só. Se o cômodo tiver pé-direito baixo, o ideal é escolher um modelo discreto ou mesmo embutido.

Por outro lado, em locais maiores, dá para ousar na escolha e instalar lustres mais chamativos e com muitas ramificações. Na sala de jantar, o truque é escolher um lustre que acompanhe o mesmo formato da mesa, favorecendo a sensação de amplitude e uniformidade no cômodo.

Luminária

Como as luminárias tendem a ser peças mais numerosas na casa, é essencial que todas elas tenham a mesma linguagem visual para não sobrecarregar o décor. Assim como na escolha dos lustres, as luminárias devem ter tamanho proporcional ao ambiente de instalação.

Modelos de chão, por exemplo, não ficam tão bem em ambientes com pé-direito simples. Nesse caso, prefira luminárias de mesa ou parede. Se as dimensões permitirem, você estará livre para que possa caprichar na escolha de uma luminária vertical, posicionando-a em um cantinho estratégico na casa, como no hall de entrada ou no corredor de acesso às áreas íntimas.

Dentro da categoria das luminárias, existem ainda subdivisões que englobam diferentes modelos. São eles:

Articuladas

Uma luminária articulada pode ser de mesa (como os abajures) ou de chão (como os pedestais). São indicadas para iluminação de ambientes pequenos, como escrivaninhas e criados-mudos. Elas trazem mais conforto visual e praticidade para aquele momento de leitura, além de terem enorme função decorativa.

Arandelas

As arandelas costumam ser mais utilizadas para iluminação de ambientes externos, como jardins, entornos de piscinas e áreas gourmet. A diferença em relação aos lustres e luminárias é que as arandelas são sempre instaladas nas paredes, com a proposta de valorizar o décor.

Sobrepostas

Luminárias de sobrepor são aqueles modelos que ficam totalmente expostos na parede e no teto, com a função de iluminar o cômodo por completo. São geralmente direcionadas para pontos específicos, como no caso dos spots, mas também podem ficar suspensas no teto (pendentes) ou rentes ao forro (plafons).

Embutidas

Elas são muito parecidas com as luminárias de sobrepor, com a diferença de que são instaladas de forma escondida, cumprindo uma função mais estética e decorativa do que de iluminação em si — mas, claro, sem perder em conforto visual. As luminárias de embutir são muito indicadas para valorizar alguma peça específica da decoração da casa, como um quadro ou arranjo.

Pendente

Embora seja parecido com o lustre, o pendente não possui ramificações. Ele é assim denominado porque sempre é instalado de maneira suspensa, dependurados por um fio longo. A lâmpada é geralmente instalada na ponta inferior do pendente, garantindo o máximo de conforto visual para áreas específicas, como mezaninos e bancadas de refeição.

Assim, com o foco de luz mais direcionado, é possível ter mais conforto e praticidade para as tarefas básicas do dia a dia. Porém, como os fios de condução do pendente costumam ser bem longos e ficam sempre visíveis, é preciso redobrar a atenção com o design da peça para que ela dialogue com o restante do décor sem “roubar a cena”.

Na dúvida, priorize o estilo de decoração que você escolheu para o cômodo. Um ambiente minimalista pede pendentes mais clean e discretos. Já em ambientes arrojados, dá para escolher um modelo mais imponente ou colorido.

Como posicionar as luzes para obter a melhor iluminação de ambientes?

Para garantir uma iluminação impecável e um cômodo para lá de convidativo, o segredo é sempre pensar no equilíbrio visual. Para manter essa linha, você deve centralizar a luz geral, que deverá também ser a de maior intensidade, já que sua função será predominante no espaço. É possível, dessa forma, garantir uma iluminação uniforme.

Posicione os demais feixes de luz em lugares estratégicos (entre dois móveis ou sobre mesas laterais ou buffets, por exemplo). Você ainda pode posicionar uma iluminação dirigida a partir de luminárias de mesa ou de piso (ideal para pés-direitos mais altos) ou arandelas de parede. Esse tipo de iluminação, combinado com paredes de cores neutras e claras, é garantia da luminosidade perfeita.

Se a ideia é ganhar mais espaço no living ou sala de jantar, o truque é dispor espelhos sobre os aparadores com um foco de luz indireta sobre eles, trazendo ao ambiente uma sensação de amplitude. No entanto, lembre-se: para garantir esse efeito, o feixe de luz precisa ser indireto. Caso contrário, causará ofuscamento.

O ofuscamento é um erro bastante comum nos projetos de iluminação de ambientes. Ele ocorre quando a luz bate com intensidade sobre alguma superfície e, em seguida, reflete diretamente sobre os nossos olhos, causando desconforto na visão. Para evitá-lo, basta manter os pontos de luz intensa afastados de materiais reflexivos, como espelhos ou demais acabamentos decorativos.

Quais elementos combinar para fazer uma iluminação impecável?

Esse talvez seja o ponto de maior atenção para um bom projeto luminotécnico. Afinal, de nada adianta escolher as luminárias ideais para cada tipo de cômodo e posicioná-las estrategicamente se você não estruturar o projeto de iluminação conforme a função do ambiente e o estilo decorativo da sua casa.

Por exemplo: você escolheu lâmpadas quentes para o quarto, enfatizou a luz central, posicionou os feixes indiretos por entre os móveis, reforçando a sensação de aconchego, e ainda se lembrou de colocar interruptores independentes de cada lado da cama para dar mais flexibilidade ao casal.

Até aqui, você acertou em cheio. No entanto, optou por luminárias de chão, sendo que sua arquitetura possui pé-direito simples. Além disso, preferiu abajures de estilo retrô, sendo que os móveis e demais objetos do quarto são todos modernos e de design arrojado. Percebeu onde está o erro? Pois é, a conjugação dos elementos não conversa entre si.

O segredo, nesse caso, é pensar na proporção das luminárias em relação ao ambiente e no padrão decorativo do cômodo. Assim, com certeza, a combinação dos elementos será perfeita.

Outra sugestão para garantir o melhor diálogo possível entre os elementos é apostar em jogos de luz dirigida para dar destaque a algum objeto decorativo de valor ou grande estima, como obras de arte ou coleções.

Já pensou no efeito surpreendente que sua biblioteca poderá causar se você instalar focos de luz dentro de cada nicho das prateleiras? Ou mesmo no conforto visual do seu closet ou banheiro, se algumas lâmpadas forem instaladas por trás das bancadas ou espelhos? Ótimo, não é mesmo?

Quando iniciar o projeto de iluminação de ambientes?

É importantíssimo saber que o projeto de iluminação de uma residência anda lado a lado com o projeto elétrico. Primeiro, define-se o projeto luminotécnico e, em seguida, o engenheiro eletricista faz o circuito elétrico conforme o que foi planejado.

Esse planejamento deve ser feito com calma e atenção, de modo a incluir todas as funcionalidades que você quer para sua casa e compatibilizar a rede elétrica para tal. Pense em todos os detalhes, como apagadores específicos para determinado feixe, lâmpadas decorativas e circuitos independentes para maior comodidade.

Outra dica essencial é não tentar economizar com os componentes elétricos do projeto. Essa é uma das fases mais importantes da reforma e construção, em que a segurança e a qualidade devem vir em primeiro lugar. Portanto, não compre materiais de origem duvidosa e não faça o projeto por conta própria.

Pense sempre no melhor custo-benefício, pois uma rede elétrica segura e bem dimensionada evitará o risco de acidentes domésticos ou de prejuízos com reparos futuros.

Agora que você já sabe todos os pormenores para desenvolver um projeto luminotécnico de sucesso, é só tirar o seu planejamento do papel e fazer uma iluminação de ambientes que alie conforto visual e estética na sua casa. O resultado você já sabe: mais praticidade para o seu dia a dia e mais sofisticação para o seu o décor!

Gostou do post? Assine nossa newsletter e fique por dentro de mais conteúdos como este!