Texturizar as paredes é uma das maneiras mais práticas e eficientes de repaginar o visual da casa com muito estilo e gastando pouco. Entretanto, antes de investir na textura em parede, é preciso considerar alguns aspectos fundamentais, como a preparação da superfície, a escolha da cor e o tipo de textura que será feita.

Todos esses aspectos influenciam diretamente no resultado final da composição. Por isso, é preciso ponderá-los para que o ambiente fique harmonioso e livre de excessos. Texturizar mais de uma parede em um mesmo cômodo, por exemplo, não é recomendável, já que pode pesar o décor, cansando a visão.

Para você acertar em cheio e aproveitar o máximo potencial dessa técnica, acompanhe o post com cinco dicas de como fazer a textura. Vamos lá!

1. Prepare a parede corretamente

Fazer textura em parede é uma tarefa relativamente simples, desde que a superfície esteja bem preparada. Isso significa que a parede que você vai texturizar deve estar limpa e nivelada, ou seja, livre de manchas ou imperfeições. Se necessário, utilize uma lixa para uniformizá-la.

E não se esqueça de proteger o entorno. Reaproveite panos e jornais velhos para forrar o piso e proteger o mobiliário, além de utilizar fita crepe para evitar que a tinta escorra nas esquadrias, rodapés, tomadas e interruptores etc. Com a parede devidamente pronta, aí sim você pode começar o serviço.

Ah, e se você não conseguiu remover por completo alguma mancha ou outra imperfeição qualquer, não se preocupe! Na verdade, a textura em si também pode ajudar a disfarçar esses problemas. O importante mesmo é deixar a parede o mais uniforme possível antes de começar o procedimento.

2. Utilize materiais adequados

Nada de começar o trabalho sem fazer o checklist, ok? Pode ser que não dê para interromper o serviço no meio para buscar algum material. Por isso, verifique se tem nas mãos tudo o que você precisa. O tipo de textura escolhida é que vai determinar os itens necessários. Mas, via de regra, a lista é basicamente esta:

  • lixas;

  • espátulas;

  • tinta;

  • rolos;

  • fita crepe;

  • balde com água e pano macio para a limpeza.

3. Escolha a superfície que receberá a textura

Antes de definir o padrão da pintura, pense cuidadosamente em qual parede você pretende texturizar, pois isso faz muita diferença no resultado final. O mais recomendado é escolher a parede principal do cômodo. Mas, nesse caso, é preciso verificar se será necessário mudar a disposição dos móveis. Afinal, você não quer que a sua estante esconda a textura, certo?

Outra recomendação dos especialistas é evitar texturizar cozinhas e banheiros, pois, como essas são áreas laváveis, a técnica pode dificultar a limpeza. Sendo assim, os locais mais indicados para fazer textura em parede são as salas, os corredores e os quartos.

4. Defina o tipo de textura ideal

Existem alguns tipos de textura que você pode aplicar em uma parede, como as texturas com tinta, com massa corrida e com rolos específicos. Tudo vai depender da sua criatividade e, sobretudo, da sua habilidade manual para lidar com as diferentes técnicas.

Para definir o tipo de textura mais adequado, também é preciso considerar o estilo de decoração do ambiente, de modo a criar a mesma identidade visual entre todos os elementos do cômodo: paredes, móveis, cortinas etc. Caso contrário, o efeito escolhido pode sobrecarregar o design.

Por exemplo: se o décor é clean e minimalista, a textura precisa seguir esse mesmo conceito, com cores neutras e padrões discretos. Se a composição é mais rústica e campestre, as tonalidades podem variar conforme as cores desse tema.

Já para os mais arrojados, apostar em uma cor vibrante e em um padrão mais chamativo é sempre uma boa escolha. A seguir, listamos os principais tipos de textura para você se inspirar.

Textura com tinta

Essa é a técnica mais fácil e prática para texturizar paredes. Basta comprar a tinta e um rolo especial para texturas. A aplicação deve ser feita na parede preparada e o resultado vai depender do padrão do rolo escolhido. O ideal é aplicar a tinta uniformemente na superfície evitando passar o rolo muitas vezes no mesmo local, para não retirar o produto.

Existe também a possibilidade de você apostar em algum efeito característico, como os listados abaixo. Mas atenção: eles devem ser feitos logo após a aplicação da tinta específica para textura, com a parede ainda úmida.

  • riscado — escova-se a parede com uma escova de cerdas macias;

  • frotagge — pressiona-se um plástico com cuidado sobre a superfície;

  • reagging — dá-se leves batidas na parede com um pano úmido ou uma esponja;

  • rubber — carimba-se a parede lentamente, em vários sentidos;

  • jeans — esfrega-se a superfície com uma escova macia, primeiro em sentido vertical e depois na horizontal.

Textura com massa

Essa técnica é recomendada para quem pretende criar um toque de relevo na parede, compondo uma atmosfera mais trabalhada. Nesse caso, utiliza-se o rolo e a massa corrida específica para o processo.

A aplicação deve respeitar as instruções do fabricante, mas, geralmente, a tarefa consiste em aplicar a massa na parede e passar o rolo em seguida, criando os desenhos característicos. Depois de seca, a superfície poderá receber a tinta de sua preferência.

Como esse processo é um pouco mais trabalhoso do que a textura com tinta, o ideal é contar com o auxílio de um profissional se você não se sentir apto a fazer o serviço sozinho. Além disso, vale lembrar que, depois de texturizada, é mais difícil retirar os efeitos caso você deseje repaginar a decoração.

5. Capriche no acabamento

Ok, a ideia da textura é justamente criar uma superfície mais abstrata, com desenhos, relevos e até algumas irregularidades. Mas a coisa não pode virar bagunça! É preciso caprichar no acabamento para que o efeito criado não se transforme em excesso de informação e cansaço visual.

Por isso, atente ao acabamento dos padrões, independentemente da técnica escolhida. Tenha cuidado para respeitar as proporções e a paginação dos desenhos, além de não deixar que respingos de tinta comprometam o serviço já realizado.

E, se você está receoso quanto ao resultado, uma boa dica é escolher uma textura mais simples e discreta. O segredo para evitar erros é estudar antes o procedimento, fazer um teste sobre uma superfície falsa e, principalmente, contar com materiais de qualidade.

Recorra a lojas especializadas em artigos de reforma e construção para ter certeza de que está adquirindo produtos adequados. Fazer textura em parede requer habilidades manuais sim. Mas de nada adianta se você não tiver bons materiais à sua disposição, certo?

E nós podemos ajudar! Entre em contato conosco e adquira os melhores materiais para dar vida nova às suas paredes!