Oscilações de energia, tomadas aquecidas e curtos-circuitos são sinais claros de que algo não vai bem na rede elétrica residencial. Saber como identificar esses problemas é fundamental para manter a segurança da casa e evitar situações mais graves, como incêndios e explosões.

Fazer manutenções periódicas é o melhor jeito de manter a rede elétrica sempre segura. Dessa forma, caso algum problema seja notado, será possível corrigi-lo antes de qualquer transtorno. É sobre isso que explicamos neste post. Continue a leitura e aprenda como identificar e prevenir os problemas!

Sinais de problemas na rede elétrica residencial

Como você acabou de ler, a manutenção periódica é essencial para manter a rede elétrica em bom estado. Contudo, é importante também estar de olho em alguns sinais para evitar situações inesperadas.

Oscilações ou quedas de energia

Se você suspeitar que algum equipamento está “roubando” energia na casa, verifique o medidor para identificar eventuais fugas de corrente. O teste é simples: basta desligar os disjuntores da residência e checar se, mesmo assim, o relógio continua em andamento, registrando o consumo. Caso isso aconteça, chame um profissional especializado para corrigir o problema.

Quanto às quedas inesperadas de energia, geralmente são causadas por sobrecargas na rede. É que as instalações elétricas são projetadas para suportar determinada demanda. Assim, dependendo da quantidade de equipamentos em uso, o sistema poderá ficar sobrecarregado e desarmar.

Inclusive, o desarme dos disjuntores é justamente uma ação protetiva do sistema, pois eles evitam que a sobrecarga comprometa a fiação ou desencadeie um incêndio após o curto-circuito. O problema pode ser resolvido com a simples troca dos componentes do sistema, de modo a atender a um fluxo maior de corrente na rede elétrica.

Picos de tensão

Picos de tensão acontecem quando há um aumento instantâneo de tensão na rede elétrica, geralmente provocado por descargas elétricas provenientes de raios. A principal consequência é a queima dos equipamentos que estavam ligados à rede no momento.

Se isso estiver ocorrendo com frequência, significa que é preciso instalar componentes protetores para evitar que os aparelhos sejam danificados. Para-raios e dispositivos de proteção contra surto de tensão (DPS) podem ser boas opções.

Aquecimento de tomadas

Tomadas, fios e cabos aquecidos sinalizam uma possível sobrecarga no sistema, indicando que a instalação naquele ponto está inadequada para o consumo dos aparelhos conectados. Ao perceber essa falha, recorra a um eletricista para fazer a checagem e, se preciso, refazer a instalação.

Além disso, a rede elétrica residencial deve ter o fio terra instalado em todas as tomadas da casa, naquele modelo de três polos, pois é isso que protege contra o risco de choque elétrico. Caso suas tomadas não tenham essa configuração, planeje uma reforma elétrica.

Curto-circuitos

O curto-circuito acontece quando a quantidade de corrente no sistema é superior em relação à carga que o condutor consegue suportar. É por isso que os disjuntores são componentes essenciais do sistema elétrico, pois, como vimos, eles desarmam justamente para evitar incêndios decorrentes do curto. Dimensionar a rede de forma correta ajuda a prevenir os curtos.

Um exemplo é projetar instalações que suportem correntes mais fortes em locais específicos, como no banheiro. Isso porque equipamentos como chuveiro e secador de cabelos são mais potentes e, consequentemente, liberam corrente maior no sistema.

O mesmo é indicado para cozinhas — por conta de aparelhos como microondas e fornos elétricos — e para instalação de aparelhos de ar-condicionado.

Dicas para prevenir problemas na rede elétrica residencial

Já conhece os principais sinais de que algo pode estar errado? Então é hora de saber o que fazer para evitar problemas na sua rede elétrica.

Dimensione corretamente a rede

É comum fazer uma reforma elétrica para redimensionar corretamente a rede e evitar eventuais sobrecargas. O redimensionamento é necessário, principalmente, em instalações elétricas mais antigas, pois, há alguns anos, a quantidade de aparelhos eletrodomésticos em uso era menor.

Hoje em dia, como temos muitos equipamentos em casa, é natural que a capacidade da rede elétrica residencial precise aumentar. Mas atenção: conte com um profissional especializado para fazer o serviço. Ele ajustará as instalações conforme as reais necessidades do sistema.

Instale dispositivos de proteção

Instalações antigas ou que estão há muito tempo sem manutenção podem estar incompatíveis com as normas de segurança vigentes nos dias de hoje. Por isso é importante checá-las, verificando a necessidade de instalar componentes mais modernos, como os dispositivos de prevenção.

Alguns exemplos são os dispositivos de aterramento, como o DR (diferencial residual), o DPS (dispositivo de proteção contra surtos) e o DTM (disjuntor eletromagnético) —, muito importantes para evitar o risco de acidentes domésticos por contato direto ou indireto com a rede.

Os componentes de aterramento são fundamentais para que, em caso de fuga de corrente elétrica, ela flua diretamente para o solo, sem o risco de passar pelo corpo de alguém próximo ao ocorrido. O aterramento também é eficiente contra descargas elétricas decorrentes de raios.

Os disjuntores, por sua vez, conseguem detectar as fugas de corrente, desligando automaticamente o sistema para evitar choques, incêndios ou danos aos aparelhos.

Evite improvisos e “gambiarras”

Usar extensões ou os famosos benjamins para ligar mais aparelhos em uma única tomada é uma alternativa prática, porém, deve ser encarada como uma medida emergencial e não como solução. O risco é grande quando isso é recorrente na residência, já que a qualidade e a segurança da transmissão da corrente ficam comprometidas nessas instalações.

Outro problema são as “gambiarras” ou “gatos” feitos na rede elétrica. Esse tipo de instalação é perigosíssimo!

Geralmente, é feito sem respeitar as normas técnicas de segurança e sem nenhum parâmetro de funcionalidade do sistema elétrico. Jamais recorra a esses improvisos, pois é a segurança da sua família e da sua residência que estão em jogo.

Esteja com a manutenção em dia

Por fim, nunca descuide da manutenção da rede elétrica residencial. Instalações antigas precisam ser reformadas, assim como as novas precisam ser verificadas com frequência. Essa manutenção preventiva deve ser feita por um profissional especializado, que poderá detectar eventuais problemas na rede e corrigi-los a tempo de causarem transtornos.

Essa prática é muito importante não apenas para manter a segurança do sistema, mas, também, para garantir a máxima eficiência dos seus equipamentos eletrônicos aliada ao baixo consumo energético, o que reflete diretamente na sua conta de energia ao final do mês. Sobretudo no caso de um imóvel alugado, não deixe de conferir como está a manutenção da rede antes de se mudar.

Lembre-se: os equipamentos de segurança são indispensáveis na hora de fazer os reparos na rede elétrica residencial. Portanto, jamais descuide do uso de luvas, óculos e calçados adequados, além de comprar materiais elétricos de boa qualidade e garantia de procedência.

Falando nisso, aproveite e leia nosso post sobre os materiais necessários para uma reforma elétrica!