Sofisticação, personalidade e estilo são as palavras que resumem bem a tendência do revestimento 3D. A técnica consiste em utilizar materiais específicos para ornar a parede com diferentes relevos, criando efeitos tridimensionais criativos e valorizando o acabamento. Ou seja, com essa tendência, é o fim da parede lisa e sem graça.

Mas não basta sair aplicando o revestimento nas paredes e pronto. É preciso ter muito cuidado para não “pesar” a mão e acabar sobrecarregando o décor com excesso de informações. Então, se você quer acertar em cheio na escolha, é só continuar a leitura e aprender a técnica!

Conceito e aplicações do revestimento 3D

O revestimento 3D é um compilado de placas que formam painéis tridimensionais de alto e baixo relevo, adicionando dimensões extras às superfícies para criar um efeito visual característico. As placas são fabricadas em vários materiais, como gesso, azulejo, MDF, cimento, madeira, alumínio e até bambu, sendo comercializadas em diversos formatos e volumetrias — geralmente nas cores branco e cinza.

Muito versátil, o revestimento 3D pode ser aplicado tanto nas paredes quanto nos muros ou tetos. Além disso, todas as áreas da casa — internas ou externas — podem receber o acabamento. A única ressalva é que, nos locais úmidos (banheiro, cozinha etc.), não é recomendado utilizar revestimento 3D de gesso, pois as placas são menos resistentes. Nesse caso, o ideal seria aplicar peças de azulejo.

Já para as demais áreas internas, as placas de gesso são muito indicadas, pois garantem excelente acabamento com custo inferior se comparadas às de azulejo. Apenas tenha o cuidado de fazer uma aplicação proporcional, considerando as dimensões do cômodo. Caso contrário, você poderá sobrecarregá-lo com um efeito de volumetria pouco harmonioso.

Em seguida, confira algumas dicas para não errar na aplicação em cada cômodo da casa:

Quarto

Aplicar revestimento 3D nos quartos é uma ótima solução para quem se cansou das texturas e papéis de parede e quer investir em um décor mais moderno. A principal dica é dialogar as placas com o estilo do quarto e utilizar a iluminação para realçar ainda mais os efeitos tridimensionais do acabamento.

Sala

A sugestão para aplicar revestimento 3D na sala é considerar a quantidade de móveis no ambiente, já que o local costuma comportar uma mobília de dimensões maiores, como sofá e estante. Nesse caso, opte por fazer a aplicação na parede mais “limpa” do cômodo para “descansar” o olhar.

Banheiro

Aqui o revestimento 3D precisa ser pensado de modo a favorecer a sensação de amplitude no local. Para tanto, as placas devem ser proporcionais às dimensões do banheiro ou lavabo. E lembre-se: os materiais mais indicados para cômodos úmidos são o azulejo e o PVC.

Cozinha

Assim como nos banheiros, na hora de revestir a cozinha, é fundamental escolher materiais que resistam à umidade. Vale também a dica de fazer a aplicação na parede mais vazia do cômodo, realçando melhor o efeito 3D sem sobrecarregar o ambiente.

Área de lazer

Se sua área de lazer for aberta, é imprescindível escolher placas resistentes à umidade e às intempéries climáticas, já que o revestimento ficará constantemente exposto. Tomando esse cuidado, aí é só escolher o modelo que melhor dialoga com a proposta de décor desse cantinho!

Vantagens de utilizar revestimento 3D

Não basta ser um revestimento versátil, estiloso e sofisticado. Também é preciso ser resistente, de fácil manutenção e com bom custo-benefício para cair de vez no gosto dos amantes da decoração. Em seguida, detalhamos todas essas vantagens para você!

Possibilidade de brincar com os relevos

Como vimos, esse é o grande diferencial do revestimento 3D, sendo um tipo de acabamento perfeito para quem não abre mão de deixar a casa mais original e criativa. Além da possibilidade de criar diferentes relevos na parede, também dá para brincar com as tramas e cores do material, criando aquele efeito exclusivo que só a sua casa vai ter!

Se a metragem do cômodo e o estilo de decoração permitirem, você pode ousar ainda mais no décor, mesclando placas de revestimento 3D de diferentes materiais conforme a atmosfera do ambiente: mais clean, mais arrojada, mais rústica… Que tal?

Ótima durabilidade e resistência

Desde que você escolha o material mais indicado para o cômodo em questão, a durabilidade do revestimento estará garantida. Quem procura por uma placa 3D ideal para qualquer ambiente da casa, deve priorizar as fabricadas em azulejo, pois, além da resistência característica, o material também ajuda a prevenir infiltrações.

No entanto, qualquer que seja o material escolhido, os cuidados para preservar a vida útil das peças são os mesmos: espanador de pó e pano levemente úmido para a limpeza do dia a dia. Evite produtos químicos ou outros materiais abrasivos na superfície do revestimento, pois isso poderá danificar as placas mais frágeis, como as de gesso, alumínio ou bambu.

Fácil instalação e manutenção

Nada como um revestimento que não dá trabalho nem faz bagunça para aplicar, concorda?! Em poucos passos você mesmo consegue fazer a instalação das placas 3D na sua casa, desde que a parede esteja devidamente preparada — limpa, uniforme e sem buracos. Mas, caso falte tempo (ou habilidade) para o famoso “faça você mesmo”, não hesite em contratar mão de obra especializada, garantindo o melhor resultado.

Bom custo-benefício

É claro que, dependendo do material escolhido, algumas placas poderão ser mais caras do que outras. Porém, em qualquer caso, o custo-benefício compensa, pois você estará adquirindo um acabamento durável, moderno e muito estiloso. E nós sabemos que, quando se trata de decorar a casa, investir nesses detalhes faz toda a diferença para deixar o lar bonito, sofisticado e com a nossa cara!

Revestimento 3D e iluminação

Explicadas as vantagens do revestimento 3D, vamos à dica final: capriche no projeto de iluminação para realçar ainda mais o efeito tridimensional das placas. Combine lâmpadas centrais no teto com spots de luz direcionados para as placas, valorizando os diferentes relevos da parede.

Também dá para brincar com as cores das lâmpadas e harmonizá-las com a proposta do cômodo. Por exemplo: áreas mais intimistas pedem luzes quentes, enquanto nos espaços de convívio você pode mesclar luzes frias para deixar o local mais estimulante e “aceso”.

Agora sim está tudo pronto para fazer a sua decoração saltar aos olhos sempre que você chegar em casa ou receber seus convidados!

Curtiu a ideia? Então assine nossa newsletter e receba em primeira mão mais conteúdos inspiradores como este!