Este é um dilema muito comum na hora de escolher os acabamentos da residência. Afinal, escolher entre piso quente e piso frio não é tão simples assim, já que a escolha vai muito além da estética deles. É preciso considerar, sobretudo, para que ambiente a peça se destina e quais funcionalidades você quer para o cômodo em questão.

Para início de conversa, precisamos explicar o que é piso quente e piso frio. Pois bem: o primeiro é um mau condutor de calor, por isso, retém a temperatura ambiente, dando a impressão de ser mais quente do que os pisos frios. Estes, por sua vez, são bons condutores de calor, dando aquela típica sensação de frescor ao pisar com os pés descalços.

Neste post, vamos detalhar outras particularidades dos dois tipos de piso, explicando suas principais aplicações, critérios de escolha e cuidados de limpeza. Acompanhe a leitura e aprenda a utilizá-los!

Quando utilizar piso quente?

Como vimos, os pisos quentes são assim denominados por sua capacidade de reter a temperatura ambiente, já que são mau condutores de calor. Na realidade, o que acontece é o seguinte: ele não aquece, mas dá a impressão de estar mais quente justamente porque consegue reter a temperatura do cômodo em questão — ao contrário dos pisos frios, que conduzem a temperatura ambiente.

Por essa característica, eles são utilizados naqueles locais em que se deseja ter o máximo de aconchego, como salas de estar e áreas íntimas da residência. Os exemplares mais conhecidos de pisos quentes são os laminados, carpetes e a clássica madeira. Só aí já dá para entender porque eles remetem a sensações de conforto e aconchego, pois a madeira, por si só, é um material muito acolhedor.

Eles são os campeões de escolha principalmente em regiões mais frias, pois conseguem reter o calor do ambiente e manter um equilíbrio mais favorável entre o material e a nossa pele. E isso é perfeito para quem não abre mão de andar descalço mesmo no inverno.

Quando utilizar piso frio?

Se os pisos quentes são os queridinhos do outono-inverno, os pisos frios são frequentes em primavera-verão. Afinal, nada como chegar em casa em um dia abafado e repousar os pés no chão fresquinho. Isso só é possível graças à condutividade térmica do material, capaz de transportar o calor e diminuir a temperatura aparente do cômodo.

Se estivermos falando de ambientes externos, então, aí eles são opções indispensáveis, perfeitos para compor jardins, entorno de piscinas e áreas gourmet. Isso porque esses locais estão mais sujeitos à incidência direta do sol, portanto, é necessário favorecer conforto térmico no piso.

Os exemplares mais comuns de pisos frios são as famosas cerâmicas e porcelanatos, além dos mármores, granitos e pedras naturais. Os dois primeiros apresentam custo-benefício inquestionável e, por isso, costumam ser os mais escolhidos. Sem falar na facilidade de manutenção, que é muito mais prática se comparada aos pisos de pedra, que demandam cuidados específicos.

Os pisos frios são perfeitos para cozinhas e banheiros, pois conseguem aliar estética, conforto térmico e praticidade de limpeza. Mas nada impede de utilizá-los também na sala e nos dormitórios, sobretudo se você mora em uma região muito quente. Por outro lado, se você mora em um local frio, mas não abre mão da praticidade dos porcelanatos, dá para utilizá-los e contar com tecnologias de aquecimento que vão deixar o piso mais aconchegante.

Quais critérios avaliar na escolha?

Pelos tópicos anteriores, já deu para ter uma ideia dos fatores que envolvem a escolha de piso quente e piso frio para a casa. Em seguida, vamos detalhar melhor cada um desses fatores.

Estilo do ambiente

Via de regra, os pisos quentes são mais associados a decorações requintadas e de apelo rústico, principalmente se estivermos falando da madeira, que é um material nobre e sofisticado por natureza — o que explica seu custo mais elevado.

Os laminados, por sua vez, estão ganhando o mercado da reforma e construção por serem uma alternativa muito viável à madeira, pois são mais baratos e demandam menos cuidados de manutenção. O conforto, o aconchego e o requinte estarão garantidos em qualquer um dos casos.

Já os pisos frios são mais associados a decorações minimalistas e com apelo clean. Isso se deve sobretudo às sensações de leveza e amplitude proporcionadas por esse tipo de piso, especialmente os porcelanatos. Então, se a ideia é compor um ambiente mais leve, neutro e uniforme, já sabe qual piso escolher.

Necessidades do cômodo

Por mais que um assoalho de madeira seja lindo e luxuoso, não dá para colocá-lo em qualquer cômodo da casa, certo? A explicação é simples: pisos amadeirados (ou que remetam à madeira) não podem ser lavados, o que dificultaria muito o processo de limpeza caso eles fossem instalados na cozinha, por exemplo. Nesses casos, é muito mais indicado utilizar pisos laváveis, como as cerâmicas e os porcelanatos.

Nos quartos ou na sala de TV, que são ambientes com proposta de relaxamento, dá para usar e abusar dos pisos quentes. Além de deixar o cômodo mais confortável e acolhedor, o piso quente também harmoniza melhor com o estilo de decoração dessas áreas mais intimistas.

Temperatura da região

Como vimos, os pisos frios são excelentes alternativas para quem mora em regiões muito quentes ou litorâneas, podendo ser utilizados em qualquer cômodo da casa. Na estação mais fria, você pode recorrer a tapetes para dar mais aconchego.

Por outro lado, se estivermos falando de uma casa de campo em regiões serranas, não hesite em escolher pisos quentes, pois além de favorecer o décor, esse tipo de acabamento vai trazer o conforto térmico que você espera.

Quais são cuidados de limpeza e manutenção?

Os pisos frios saem na frente nesse quesito, afinal, muitos deles podem ser lavados, como as cerâmicas e os porcelanatos. E, mesmo que não haja a necessidade de lavar, basta um pano úmido com um pouquinho de detergente neutro para mantê-los limpos e brilhantes.

Já os pisos quentes demandam alguns cuidados mais específicos, principalmente quanto ao tipo de produto de limpeza utilizado. Em nenhuma hipótese eles deverão ser limpos com materiais solventes, corantes ou abrasivos. A vassoura deverá ser a mais macia possível, assim como o bocal do aspirador de pó.

Na hora de passar o pano, utilize o mínimo possível de água e seque logo em seguida com uma flanela macia e que não solte fiapos. Os assoalhos de madeira poderão demandar também manutenções regulares com verniz ou produtos especiais para impermeabilização, recomendados pelo fabricante.

Pronto! Agora você já tem todas as informações que precisa para se decidir entre piso quente e piso frio para sua casa. E lembre-se: não é necessário escolher um só modelo. Pelo contrário: dá para combinar os dois estilos conforme os cômodos da casa, sem abrir mão do conforto e sem perder a harmonia do décor.

Já que estamos falando em acabamentos, leia também nosso post sobre como fazer um rodapé embutido e aproveite essa tendência de interiores!