No ramo da reforma e construção, não raro nos deparamos com produtos diferentes que têm praticamente a mesma finalidade, como é o caso do gesso e da massa corrida. Você saberia diferenciar quando fazer a aplicação de gesso ou de massa corrida nas paredes? Esse questionamento é muito mais comum do que se imagina.

Quando bate a dúvida, o único jeito é solucioná-la para não ficar com o serviço parado, certo? Pensando nisso, preparamos este post que explica em detalhes as finalidades de cada um desses produtos, além dos prós e dos contras de cada escolha. Tire suas dúvidas e mão na massa — ou no gesso!

Finalidades do gesso e da massa corrida

Os dois materiais servem basicamente para preencher imperfeições em paredes e tetos de alvenaria, nivelando as superfícies para receberem o devido acabamento. Por sua consistência, devem ser aplicados sempre com a ajuda de uma espátula de aço ou desempenadeira específica, em duas ou três camadas finas e sucessivas. Em seguida, deverá ser feito o lixamento e a retirada do pó.

Tecnicamente, o uso do gesso é mais viável em alvenaria regular, ou seja, em superfícies que já estejam livres de saliências significativas. Financeiramente falando, o gesso também é um material mais viável. Inclusive, dependendo da qualidade dos revestimentos, a aplicação de gesso poderá dispensar até mesmo a etapa do reboco. No entanto, apesar de ser mais barato, o produto não pode ser aplicado em áreas úmidas, sob o risco de apresentar manchas ao longo do tempo.

A massa corrida, por sua vez, é uma alternativa mais recomendada para paredes que precisarão de reboco, como aquelas que receberão pregos para fixação e suporte de objetos. Para superfícies externas e locais úmidos, como banheiros e cozinha, deve-se optar pela massa corrida acrílica, que é mais resistente ao vapor de água.

Nesse raciocínio — e considerando-se sobretudo o custo-benefício de ambos os materiais —, pode-se dizer que a massa corrida deverá ser priorizada em acabamentos mais complexos. Já para reparos pontuais — desde que não sejam em áreas úmidas —, você poderá utilizar o gesso sem grandes preocupações.

Prós e contras da aplicação de gesso

Prós:

  • pode ser aplicado diretamente sobre blocos de concreto ou cerâmicos;

  • é mais barato;

  • seca mais rapidamente;

  • dispensa o uso de selador.

Contras:

  • demanda preparação prévia com água;

  • consome mais tinta devido à sua porosidade;

  • não pode ser aplicado em áreas úmidas ou molháveis.

Prós e contras da aplicação de massa corrida

Prós:

  • não demanda preparação específica;

  • consome menos tinta, já que foi fabricada com o intuito de receber a pintura;

  • proporciona melhor isolamento acústico;

  • permite a aplicação em áreas úmidas, desde que seja a massa acrílica.

Contras:

  • para o caso de blocos de concreto ou cerâmicos, é preciso que o local seja preparado com chapisco, emboço e reboco;

  • é mais cara, mas o acabamento fica mais uniforme;

  • necessita de selador.

Outras diferenças da aplicação de gesso e massa corrida

Agora que você já se inteirou sobre as vantagens e desvantagens da aplicação de cada um desses materiais de construção, bem como suas finalidades exatas, vamos a outras diferenças técnicas que podem ajudar você a se decidir.

Consumo de produto

O consumo de gesso ou massa corrida na obra vai depender muito da qualidade das paredes em si. Como vimos, se a parede tiver sido construída com blocos de boa qualidade, o gesso se torna a opção mais viável — tanto pela secagem mais rápida quanto pelo menor consumo do produto.

Para o caso de paredes com problemas, a massa corrida tende a ser a melhor escolha, mesmo que sua utilização demande maior consumo do produto e de água para preparação.

Uma boa dica é que você pode fazer um teste em uma das faces da superfície para ter uma prévia do resultado da aplicação de gesso ou de massa. Assim, será mais fácil se decidir quanto ao melhor custo e à praticidade de cada material.

Tempo da obra

Não há dúvidas de que a aplicação de gesso é muito mais veloz se comparada à massa corrida — até porque o material poderá ser aplicado diretamente sobre a alvenaria, sem a necessidade de reboco. Portanto, se você tem urgência na obra, essa pode ser a melhor opção. No entanto, vale lembrar que o acabamento pode não ficar tão perfeito quanto no caso da massa corrida.

Aplicação do material

Qualquer que seja a sua escolha, você precisará de ferramentas específicas para a aplicação, de modo a garantir que a superfície fique o mais lisa e regular possível. São elas a espátula e a desempenadeira, complementadas com a tarefa de lixamento.

Considerando-se esse processo, é necessário que a massa corrida seja muito bem aplicada, pois quando seca é mais dura do que o gesso. Isso dificultaria o lixamento se houvesse muitas rebarbas ou ondulações durante sua aplicação.

Como vimos, no caso da massa corrida é preciso aplicar também um selador antes de dar início ao acabamento, mas tanto a massa quanto o gesso poderão receber qualquer tipo de tinta. A única ressalva está relacionada às áreas úmidas e às superfícies externas, onde a tinta acrílica é mais indicada.

Valor do investimento

O valor da obra com gesso ou massa corrida também está relacionado à qualidade das paredes, conforme apontado no item sobre o consumo do produto. Isso acontece porque, quanto melhor for a qualidade da superfície, menos trabalho você terá com a aplicação de gesso ou de massa corrida.

Portanto, antes de fazer sua escolha, o ideal é avaliar o conjunto da obra — condição da alvenaria, tipo de revestimento, tamanho da superfície etc. — para só então calcular o melhor custo-benefício. Sobre a quantidade de material, vale lembrar que a massa corrida é comercializada em latas e já vem pronta para o uso, enquanto o gesso precisa ser preparado.

Nesse sentido, não custa reforçar: no momento de preparar o gesso, saiba exatamente a quantidade que você precisará, porque depois de seco, o volume restante de material não poderá ser reaproveitado. Já a massa poderá ser conservada dentro de sua própria lata devidamente tampada conforme orientação do fabricante.

Por último, mas não menos importante: organize o seu canteiro de obras! Antes de fazer a aplicação de gesso ou de massa corrida, forre o entorno do local com lonas ou jornais velhos para evitar respingos sobre o piso.

Além disso, retire o máximo possível de móveis e objetos do ambiente, pois o pó fino do lixamento também poderá interferir na limpeza pós-obra. Falando em obras, aproveite que você já está com a “mão na massa” e inspire-se neste post com quatro sugestões de pedras decorativas para sua casa!