As áreas externas de uma residência são espaços de relaxamento e descontração. É realmente uma delícia curtir a suave brisa noturna com a família e os amigos na beira da piscina… Ou até mesmo deitar-se na grama para apreciar a lua! Para aproveitar esses momentos com praticidade e conforto, é importante contar com uma boa iluminação de área externa.

O projeto luminotécnico precisa dar conta de clarear espaços gourmet, varandas, sacadas, decks e jardins de forma satisfatória. Iluminar o caminho que leva até esses locais também é fundamental, pois garante a segurança no acesso de quem utiliza esses ambientes durante a noite.

Além das questões de usabilidade, outro aspecto beneficiado é a estética do imóvel, já que uma iluminação bem feita transforma a área externa em um ambiente mais acolhedor e integrado ao restante da decoração.

Está planejando os exteriores da residência e precisa de dicas sobre esse tipo de projeto? Então, continue a leitura e fique por dentro do assunto!

Existe diferença entre iluminação interna e externa?

Ao pensarmos no projeto de iluminação, precisamos entender que diferentes espaços demandam resultados distintos quanto ao uso das luzes. Ambientes externos, em geral, são mais amplos do que os cômodos do interior da casa e, por isso, precisam de menos luminosidade.

Por incrível que pareça, nossos olhos requerem menos luz para enxergar em locais abertos e com maior campo visual, como um jardim, do que em espaços menores e fechados. Por outro lado, o fato de as áreas externas não precisarem de muita luz não significa que podemos descuidar do posicionamento estratégico dos feixes. Pelo contrário! É essencial dimensionar corretamente as lâmpadas e evitar o uso de luz direta.

Brilhos muito intensos e fortes podem gerar um clarão nos olhos de quem os observa, cegando temporariamente. Apesar de ser um erro comum nos projetos de iluminação de área externa, essa situação é muito incômoda e desconfortável. O ideal é sempre escolher luzes suaves ou com incidência indireta.

Por que devo investir na iluminação de área externa?

área externa de um imóvel torna-se muito valorizada com um projeto de iluminação bem executado. O uso de feixes estratégicos realça os ambientes e permite que sejam desfrutados a qualquer hora do dia ou da noite.

Além disso, a iluminação de área externa é fundamental para garantir a segurança e o acesso nesses espaços durante o período noturno, demarcando o caminho a ser seguido e iluminando degraus, por exemplo. Com lâmpadas apropriadas e bem posicionadas, a área externa ganha em conforto e comodidade e torna-se perfeita também para descanso e relaxamento.

Luzes externas ainda ajudam a revelar detalhes do paisagismo, como plantas e demais ornamentos, cumprindo com o objetivo principal, que é iluminar o ambiente, mas incrementando também a decoração externa.

Quais os melhores modelos de lâmpadas para ambientes externos?

Existem vários tipos de lâmpadas que podem ser utilizadas para uma iluminação externa. Em seguida, listamos os principais:

  • incandescentes — emitem uma luz amarelada agradável, porém esquentam com facilidade, consomem muita energia e não duram muito;
  • halogênicas — semelhantes às incandescentes, porém com menor consumo de energia e mais durabilidade
  • fluorescentes — emitem luz com uma gama de cores mais agradável e são mais econômicas, com baixo consumo de energia;
  • LED — as lâmpadas de LED se popularizaram nos últimos anos devido à longa durabilidade e um consumo baixo de energia, apesar do preço mais alto.

Em termos de custo-benefício, o ideal é sempre optar pelas lâmpadas de LED. Embora tenham preço elevado, são muito mais eficientes e sustentáveis. Isso se explica pelo fato de o LED ter 95% de capacidade de transformar-se em energia elétrica. Nas lâmpadas convencionais, esse potencial é de apenas 5%, sendo o restante dissipado em perdas por calor.

Na prática, isso significa que as lâmpadas de LED iluminam melhor, consomem menos energia e duram muito mais tempo. Ou seja, o preço compensa!

Outra dica é comprar lâmpadas com proteção IP (proteção contra infiltração), que protege também contra poeira, contato acidental ou de demais objetos sólidos. Assim, além de mais seguras, elas terão uma vida útil mais longa.

Que tipo de luminária utilizar na área externa?

As luzes externas podem ser usadas para iluminar todo o ambiente, iluminar com um fim específico ou realçar alguns detalhes da decoração. Podem, ainda, ter incidência direta ou indireta (preferencialmente).

No caso da incidência direta, o foco é direcionado a objetos que se busca destacar, iluminando pouco o ambiente em seu entorno. Na incidência indireta, os feixes iluminam de forma suave e com maior campo visual.

Para esses diferentes efeitos, existem itens que podem adaptar-se melhor ao que é proposto no projeto de iluminação: luminárias de chão, de parede ou de teto, spots, arandelas, lustres, fitas de LED, postes, refletores, tartarugas, tochas, balizadores pendentes, entre outros. A escolha vai depender da estética e da funcionalidade que você quer para o seu projeto, visto que cada um desses itens serve a fins específicos.

Fitas de LED, por exemplo, são perfeitas para iluminar o interior de piscinas. Luminárias de parede podem oferecer luz indireta em ambientes como o deck. Já as arandelas ficam ótimas em pórticos e ao lado de portas de entrada. Os refletores podem ser instalados no jardim para iluminar a vegetação.

Como posicionar as luzes?

Para saber quais lugares precisam de iluminação externa, nada melhor do que dar uma volta à noite pelo local. Assim, é possível perceber quais pontos se beneficiariam com a iluminação e como você deseja que as lâmpadas sejam instaladas. Via de regra, existem alguns pontos que sempre devem fazer parte do projeto. Confira a seguir!

Corredores e trajetos

Exigem uma luz suave para mostrar às pessoas o caminho a seguir. São muito usadas as arandelas de parede, com a luz incidindo para baixo, para cima ou em ambas as direções. Se o trajeto tiver escada, são recomendadas também luminárias de chão, pois trazem mais segurança e conforto para os usuários.

Para os feixes não “brigarem” entre si, o ideal é embutir as luminárias no chão com feixes mais suaves. Assim, elas vão iluminar apenas o suficiente, sem ofuscar a visão de quem está passando. Sem falar que criam um efeito lindo, demarcando o caminho até a porta de entrada ou para subir as escadas do deck que leva até a piscina.

Entradas

Deve-se focar em pontos estratégicos, na parte da frente e nos dois lados da entrada, e combinar luz direta com indireta para criar um ambiente funcional e acolhedor na chegada da residência.

Se houver degraus, eles devem ser iluminados de cima para baixo, para evitar acidentes domésticos. Quanto à intensidade do feixe, a iluminação deve ser suficiente para impedir tropeços e escorregões, facilitando o acesso à casa.

Jardim

Em geral, busca-se iluminar plantas e objetos para dar destaque e criar pontos de atenção na decoração. O mais comum é utilizar lâmpadas embutidas no solo para as plantas mais altas e espetos para as plantas mais baixas, valorizando o décor do jardim. Os modelos mais usados são os coloridos, como as lâmpadas verdes, que intensificam a coloração das plantas.

Esse tipo de iluminação para área externa é projetado com capacidade para suportar as intempéries climáticas, então você não precisa se preocupar se as lâmpadas estão pegando muita chuva ou sol, por exemplo. Os modelos têm cerca de dez anos de vida útil, então vale a pena investir para dar aquele toque especial no paisagismo da casa.

Se o seu jardim tiver árvores grandes, não se esqueça de valorizá-las também. A dica é apostar em spots de chão, com luz voltada para cima, alcançando a copa das árvores. Fica lindo!

Cobertura

Assim como na iluminação do jardim, feita com refletores de espeto ou embutidos no solo, você pode usar esses mesmos materiais para coberturas ou terraços com plantas. Basta instalar as luzes nos arranjos e elas podem tanto refletir nas plantas quanto criar um efeito visual nas paredes do ambiente, complementando a iluminação central.

Piscina

Luzes externas de chão e refletores evitam a condução de energia dentro da água, deixando a área da piscina mais segura. Também é possível instalar fitas de LED ou fibra ótica no interior da piscina, que mudam de cor e trazem descontração à área. Se houver desenhos nos azulejos, o efeito é surpreendente!

Dá para iluminar as paredes laterais, bordas e fundo, deixando tudo pronto para aquele mergulho noturno no verão ou apenas para contemplar a paisagem. Não se esqueça das escadas da piscina, instalando as lâmpadas no centro dos degraus.

Como planejar a iluminação da área externa?

Listamos mais algumas dicas para que nenhum detalhe passe despercebido na iluminação da sua área externa. Vamos lá!

Crie efeitos luminotécnicos

Como vimos, dá para criar vários efeitos de luz com o posicionamento estratégico de arandelas e spots embutidos. Esses efeitos podem refletir tanto nas paredes do ambiente quanto em algum objeto de decoração que você queira valorizar. São muito usados para iluminar quadros, arranjos e obras de arte.

Outra dica interessante é investir na iluminação dimerizada para complementar a luz central do ambiente. Com esse tipo de lâmpada, é possível controlar a intensidade de brilho do feixe. Além de contribuir para a economia de energia, permitem a criação de diversos cenários, como iluminação decorativa, iluminação para leitura, iluminação para descanso, entre outros.

Acerte a temperatura de cor da lâmpada

Cômodos diferentes pedem lâmpadas diferentes, relacionadas à funcionalidade do espaço. Por isso, quando for às compras, sempre confira a temperatura de cor (K) indicada na embalagem.

Lâmpadas amarelas (quentes) são recomendadas para iluminar ambientes mais íntimos e acolhedores, como dormitórios e áreas de convívio internas ou externas. Já as lâmpadas brancas (frias) são recomendadas para locais de atividade intensa, como escritórios, bibliotecas e salas de estudo.

Existe ainda a lâmpada branca morna, que não ofusca a visão, sendo indicada para compor salas de TV. Ambientes úmidos, como cozinhas e banheiros, pedem lâmpadas herméticas, o que evita que seus componentes eletrônicos sejam danificados antes do tempo indicado pelo fabricante.

Invista em um sistema automatizado

Nada mais normal do que esquecer a luz acesa quando mudamos de um cômodo para outro, não é mesmo? Apesar de ser um hábito muito comum, isso gera um gasto energético desnecessário e prejudicial ao meio ambiente em longo prazo. Por isso, a melhor solução para evitar esses problemas é investir em um sistema automático de acendimento, aliando conforto e sustentabilidade nas instalações.

Evite o excesso de informações

Quando o assunto é decoração de área externa, vale o ditado do “menos é mais”. Isso porque o campo visual mais extenso dessas áreas permite contemplar o ambiente de forma integrada, o que acabaria sendo prejudicado se você colocasse muitos elementos decorativos em um mesmo espaço.

Portanto, concentre sua escolha naqueles itens de iluminação indispensáveis, complementando o décor com poucos móveis — como bancos de madeira — e alguns arranjos de plantas. Os feixes de luz também devem dialogar entre si, com todos eles tendendo para o mesmo resultado luminotécnico. Caso contrário, as luzes vão acabar chamando atenção demais em vez de criarem um efeito sutil de valorização do décor.

Lembre-se de que as peças escolhidas devem ser resistentes o bastante para iluminação de área externa, já que ficarão expostas aos fatores climáticos. Isso é ainda mais relevante se você mora no litoral, pois as lâmpadas precisam suportar satisfatoriamente os efeitos da maresia.

Compre os melhores acessórios

No mercado especializado há diversos acessórios recomendados para iluminação de área externa, aliando resistência, eficiência energética e baixo consumo. Faça suas compras com calma, avaliando as especificações de cada tipo de lâmpada e acessórios para escolher modelos compatíveis com o seu ambiente.

É muito importante contar com profissionais especializados para dimensionarem o projeto elétrico da área externa, indicando o modelo e a quantidade certa de itens. Dessa forma, a iluminação ficará o mais confortável e segura possível.

Voltando aos materiais, adquira os itens somente em lojas de confiança, pois de nada adianta fazer um projeto incrível utilizando materiais suspeitos, certo?

Estamos falando de uma instalação em que segurança é a palavra de ordem. Mais do que bonita e funcional, a sua iluminação para área externa deverá ser segura, atendendo aos padrões da Associação Brasileira de Normas Técnicas. Por isso, a dupla profissionais capacitados e materiais de qualidade precisa ser prioridade no seu projeto.

Seguindo essas dicas, o resultado será uma iluminação perfeita, capaz de revitalizar aqueles lugares que antes eram pouco utilizados por causa da escuridão, além de deixar o décor muito mais imponente e convidativo.

Ficou inspirado? Então, entre em contato conosco e faça um orçamento para a iluminação da sua área externa!