Existem dias em que não dá para abrir mão do conforto de um ar condicionado, principalmente no verão. Por outro lado, sabemos que não se trata de um investimento barato. Por isso, quem está pensando em adquirir um aparelho deve refletir muito bem sobre as funcionalidades de cada modelo antes de escolher entre os tipos de ar-condicionado disponíveis no mercado.

Qual o modelo mais indicado para sua casa? Qual a potência ideal? Que fatores avaliar antes da compra? Neste post, respondemos a todas essas perguntas para facilitar sua reflexão. É só continuar a leitura e fazer uma compra inteligente!

Principais tipos de ar-condicionado

A primeira coisa a fazer é descobrir qual modelo de ar-condicionado melhor corresponde às suas expectativas. Afinal, diferentes modelos apresentam diferentes funcionalidades.

Por exemplo: um ar-condicionado portátil pode ser uma ótima escolha para um ambiente pequeno. Em contrapartida, ele não será tão funcional para aquelas áreas de maior metragem e fluxo na residência. Confira a seguir as particularidades de cada modelo.

1. Ar-condicionado Split

O modelo Split é o mais famoso entre os tipos de ar-condicionado, aliando praticidade e eficiência para qualquer cômodo da casa. É claro que a eficiência também vai depender da potência do aparelho, mas, em termos de praticidade, os modelos Split podem ser considerados verdadeiros curingas. O mais comum é o Split Hi Wall, que é aquele instalado na parede, mas existem outras variações:

  • multi Split: modelo composto de duas evaporadoras e uma condensadora, sendo ideal para refrigerar mais de um ambiente ao mesmo tempo;
  • Split cassete: modelo com até quatro vias para a saída de ar para melhor climatização, podendo ser instalado tanto no teto quanto no forro da residência;
  • Split piso-teto: modelo ideal para ambientes médios e grandes (residenciais ou comerciais), com possibilidade de instalação no piso ou no teto.

2. Ar-condicionado portátil

Como o próprio nome sugere, o grande diferencial do modelo é justamente sua portabilidade, permitindo que você o transporte facilmente de um cômodo para outro da casa, conforme sua necessidade. A principal desvantagem é que ele é indicado apenas para ambientes pequenos.

3. Ar-condicionado de janela

Para quem não abre mão de um modelo compacto, mas não necessariamente portátil, o ar-condicionado de janela é o mais indicado. O equipamento tem as duas unidades (evaporadora e condensadora) acopladas ao mesmo gabinete, garantindo o melhor aproveitamento do espaço.

Apesar da praticidade, ele não é recomendado para refrigerar áreas amplas, sendo eficaz somente para áreas pequenas e sem grande fluxo de pessoas, como os dormitórios. Vale lembrar que a instalação requer um vão específico na parede do cômodo.

4. Ar-condicionado inverter

Esse tipo de ar-condicionado sai na frente no quesito economia, sendo uma ótima opção para quem precisa manter o aparelho ligado constantemente. A tecnologia de inversão faz com que o compressor nunca precise ser desligado. Isso significa que não haverá aqueles picos de voltagem típicos do liga e desliga do aparelho, o que resulta em menos desgaste no motor e, consequentemente, menor consumo de energia elétrica.

Fatores para avaliar na escolha

Escolhido o modelo de ar-condicionado ideal para sua casa, vamos agora aos fatores que você precisa considerar antes de fazer a compra.

Potência do aparelho

A potência nada mais é do que a capacidade de refrigeração do ar-condicionado. Ela é medida é em BTU, aquela famosa sigla que acompanha a descrição dos modelos e que significa Unidade Térmica Britânica. Para efeitos de cálculo, considere que 1 BTU representa a quantidade de frio necessária para reduzir em 0,56°C a temperatura da água.

Essa quantidade interfere, por exemplo, na hora de dimensionar o tamanho do ambiente onde o ar-condicionado será instalado, levando-se em conta a densidade e o peso da água. Isso explica porque os aparelhos de menor capacidade conseguem refrigerar satisfatoriamente cômodos pequenos.

A incidência solar no cômodo e a quantidade de pessoas no local também são fatores que podem interferir na capacidade de refrigeração do equipamento. Em termos mais práticos, considere a seguinte tabela para escolher a potência ideal do seu ar-condicionado:

  • áreas de 9 m²: 7.500 BTUs (sol da manhã) ou 9.000 BTUs (sol o dia todo);
  • áreas de 12 m²: 9.500 BTUs (sol da manhã) ou 10.000 BTUs (sol o dia todo);
  • áreas de 20 m²: 10.000 BTUs (sol da manhã) ou 12.000 BTUs (sol o dia todo);
  • áreas de 25 m²: 12.000 BTUs (sol da manhã) ou 16.000 BTUs (sol o dia todo);
  • áreas de 30 m²:16.000 BTUs (sol da manhã) ou 18.000 BTUs (sol o dia todo);
  • áreas de 40 m²: 18.000 BTUs (sol da manhã) ou 21.000 BTUs (sol o dia todo);
  • áreas de 50 m²: 21.000 BTUs (sol da manhã) ou 30.000 BTUs (sol o dia todo);
  • áreas de 60 m²: 22.000 BTUs (sol da manhã) ou 30.000 BTUs (sol o dia todo);
  • áreas de 70 m²: 30.000 BTUs (sol da manhã) ou 36.000 BTUs (sol o dia todo).

Local da instalação

Avaliar bem o lugar onde o ar-condicionado será instalado faz toda a diferença na eficiência energética do aparelho. Por exemplo, se o equipamento ficar constantemente exposto ao sol, ele terá um consumo maior de energia para refrigerar satisfatoriamente o cômodo. Além de pesar no bolso, essa não é uma escolha sustentável.

Também é importante ressaltar que os aparelhos não devem ser instalados próximos a substâncias como gases combustíveis, gás sulforoso, óleo de máquinas e ar marítimo, pois esses elementos prejudicam a funcionalidade e a segurança do ar-condicionado. Em caso de dúvida, conte sempre com a orientação de um instalador especializado.

Limpeza e manutenção

Sem dúvida, o custo-benefício de um ar-condicionado compensa o investimento. Mas, para que você não tenha gastos inesperados, é preciso ficar de olho na limpeza e na manutenção do aparelho. O simples ato de limpá-lo com frequência já elimina uma série de fatores que poderiam estragar o equipamento, como poeira em excesso ou proliferação de fungos.

Para limpar as partes plásticas, basta um pano macio embebido em água e detergente neutro. O condensador pode ser limpo com uma escova de pelos macia ou com um aspirador de pó, lembrando-se de desligar o ar da tomada por medidas de segurança.

Caso seja necessária uma limpeza mais profunda, contrate um profissional especializado. Além da limpeza, ele fará a manutenção preventiva do ar-condicionado, verificando se o equipamento está em plenas condições de uso.

Pronto! Agora é só escolher o melhor aparelho entre os tipos de ar-condicionado disponíveis no mercado e trazer esse conforto extra para o seu lar!

Aproveite e curta nossa página no Facebook para acompanhar outras dicas como estas!