Dores lombares, humor alterado e má postura são sintomas clássicos de uma noite mal dormida. É claro que enfrentar uma noite ruim pode ser resultado de um problema pessoal ou de um dia estressante no trabalho, por exemplo. Mas, se isso acontece com frequência, o erro pode estar no seu colchão. Ao se dar conta disso, você logo questiona se escolheu o modelo certo. Afinal, saber como escolher colchão não é tão simples assim.

A tarefa envolve alguns detalhes muito específicos, como o tamanho, a densidade e o modelo do colchão. Isso sem falar nos cuidados básicos para prolongar a vida útil do item, como protegê-lo com capas próprias e virá-lo de posição a cada trinta dias.

Neste post, descomplicamos todas essas questões para você. Acompanhe a leitura e faça uma compra inteligente!

Por que é tão importante comprar o colchão certo?

Na maioria das vezes, as pessoas nem percebem que o colchão é o verdadeiro culpado pelas noites mal dormidas. Assim, elas acabam acumulando sintomas que afetam cada vez mais a qualidade de vida. Somente quando a situação já está grave é que se dão conta de que o problema pode estar no modelo do colchão.

Nesses casos, além de trocar a peça, poderão ser necessárias algumas sessões de fisioterapia. Para além da questão muscular, existe ainda uma série de outros problemas que podem ser desencadeados pelo uso de um colchão inadequado. São eles:

  • desvio de coluna;

  • hérnia de disco;

  • má circulação;

  • câimbras;

  • irritabilidade;

  • insônia.

Por isso, vale o ditado: melhor prevenir do que remediar, certo? Para evitar esses problemas, saiba que o colchão não pode ser muito duro nem muito mole. Um colchão mole demais “entorna” a coluna, enquanto o duro provoca dores lombares da noite para o dia, literalmente.

Como escolher colchão ideal?

Vamos agora aos pontos obrigatórios para você observar na hora da compra. Anote as dicas

Tamanho do colchão

Isso vai depender do modelo da sua cama — box ou comum, por exemplo — além do padrão do móvel. Para escolher o tamanho certo, considere o seguinte:

  • berços e camas infantis — colchões de 60 cm ou 70 cm de largura e 130 ou 150 cm de comprimento;

  • cama de solteiro — colchões de 78 cm ou 88 cm de largura e 188 cm de comprimento;

  • cama de solteiro (padrão norte americano) — colchões de 96 cm ou 100 cm de largura e 200 cm de comprimento;

  • cama de “viúva” — colchões de 108 cm ou 138 cm de largura e 188 cm de comprimento;

  • cama de casal padrão — colchões de 128 cm ou 138 cm de largura e 188 cm de comprimento;

  • cama de casal queen — colchões de 158 cm de largura e 198 cm de comprimento;

  • cama de casal king size — colchões de 178 cm e 198 cm de comprimento;

  • cama de casal super king size — colchões de 193 cm de largura e 203 cm de comprimento.

Densidade do colchão

Quando o assunto é como escolher colchão, este talvez seja o erro mais comum: confundir a densidade com o tamanho do item.

Como vimos, o tamanho está relacionado ao padrão da cama. A densidade, por sua vez, está relacionada ao peso e a altura de quem vai utilizar o colchão — no caso de um colchão de casal, deve-se considerar o peso da pessoa mais pesada.

Os colchões certos são aqueles que respeitam a densidade média para cada tipo corporal, mantendo a coluna alinhada e os músculos relaxados quando o usuário estiver deitado de lado.

Em termos práticos, a densidade nada mais é do que a quantidade de espuma por metro cúbico de colchão, de modo que, quanto mais denso, mais peso e pressão o colchão aguentará. Veja as indicações:

  • D18 — recomendado para recém-nascidos e camas infantis de crianças até três anos;

  • D23 — recomendado para quem pesa até 60kg;

  • D28 — recomendado para quem pesa até 80kg;

  • D33 — recomendado para quem pesa até 100kg;

  • D45 — recomendado para quem pesa até 150kg.

Modelo do colchão

Se você está se perguntando como escolher colchão, é muito provável que a principal dúvida seja quanto aos tipos de modelo disponíveis no mercado. Afinal, são tantas opções que é natural a gente se sentir um pouco confuso. Em seguida, explicamos cada um deles. Confira!

Colchão de espuma

Esse tipo de colchão é o modelo mais comum do mercado, disponível em versões duras e macias. A escolha vai depender do que for mais confortável para você, lembrando que eles deverão ser trocados a cada cinco anos.

Colchão de mola

Tem estrutura formada por fios de aço inox em formato cilíndrico, cônico ou bicônico, que se assemelha a uma ampulheta. São opções muito confortáveis, porém, de vida útil menor, devendo ser trocados a cada três anos.

Colchão de látex

É um tipo de colchão mais resistente, chegando a durar até dez anos. Isso se deve à sua fabricação em borracha derivada da seringueira, que se molda facilmente ao corpo, retornando ao formato inicial sem esforço.

Colchões alternativos

Existem ainda os colchões de uso alternativo, como aqueles de ar e água, que não são recomendados para uso diário, a menos que haja uma especificação médica.

Quais são os cuidados básicos?

Não basta acertar na escolha. Depois de comprar o colchão ideal, é preciso cuidar bem dele para que dure o tempo indicado pelo fabricante. Os cuidados básicos incluem não molhar o item e trocar as roupas de cama com frequência. Além disso, recomenda-se protegê-lo com capas impermeáveis, fabricadas em tecido específico para manter seu colchão sempre intacto.

Para evitar que se formem “buracos” devido ao peso do corpo sobre o colchão, também é indicado virá-lo de tempos em tempos, sob duas formas: a face de cima para baixo e a parte dos pés para a cabeceira da cama. Aí é só caprichar na escolha dos tecidos e pronto!

Agora que você já sabe como escolher colchão, é só procurar uma loja confiável e contar com a ajuda dos vendedores para comprar um produto da melhor qualidade. Ah, e não tenha vergonha: deite-se nos seus modelos preferidos para fazer o teste antes de fechar o negócio. Assim você terá certeza de que o modelo é, de fato, confortável.

Gostou do conteúdo? Então, assine nossa newsletter e receba mais dicas úteis como estas!