Tijolos, cimento, argamassa, cerâmica… Quem já lidou com reforma, em casa ou no escritório, sabe muito bem que a presença desses componentes dá um pouco de trabalho.

Seja no momento da obra, seja com a sobra de material, é preciso guardar tudo corretamente para conservar a validade e a vida útil de cada item. Afinal, o mau acondicionamento compromete as propriedades dos materiais, que nem sempre são baratos. Você não quer jogar dinheiro fora, certo?

Isso sem falar que o material excedente ajuda muito na hora de fazer uma reposição ou reformar novamente. Portanto, é importantíssimo saber onde e como armazená-los. Continue a leitura e conheça as melhores práticas para guardar seus materiais, evitando prejuízo e desperdício na obra!

Como armazenar os materiais para reforma?

Com algumas dicas básicas, os materiais ficam bem conservados antes, durante e depois da reforma. Vamos a elas!

Guarde o cimento por, no máximo, 30 dias

O cimento não dura para sempre. Assim como a areia, trata-se de um material perecível que deve ser estocado por não mais do que 30 dias. O contato com a umidade deve ser evitado ao máximo. Por isso, é conveniente que o cimento não seja comprado em grande quantidade, excedendo o volume que vai ser usado na obra.

Se, mesmo calculando direitinho, acabou sobrando cimento, dá para tentar renegociar o produto nas lojas. Alguns estabelecimentos oferecem essa possibilidade, mas saiba que, nesse caso, os sacos excedentes devem estar lacrados em sua embalagem original, preservando as características do produto.

Empilhe tijolos e blocos em local específico

Os tijolos e blocos devem ser guardados de forma empilhada, o que é uma vantagem, principalmente se você tem pouco espaço. Assim, as peças ficam protegidas e a área de circulação se mantém livre para o trabalho.

Apenas tome cuidado para não fazer pilhas gigantescas, que sigam até o teto. O ideal é que elas tenham, no máximo, 1,50 m de altura.

Separe pisos e azulejos conforme a referência

Pisos e azulejos também devem ser guardados em pilhas, desde que não ultrapassam 1,50 m de altura. Procure separá-los por cor, tamanho e referência, pois isso ajuda muito na hora de procurar uma peça específica — seja na reforma em si, seja para um reparo futuro.

Além disso, se você precisar comprar mais quantidade de material, saberá exatamente qual o lote da peça para pedir na loja. É que alguns modelos são tão parecidos que fica mesmo difícil saber qual o piso ou revestimento exato sem ter a referência em mãos.

Pisos e azulejos texturizados deverão ser cobertos com jornal ou plástico bolha para evitar deformações. Não se esqueça de que todas as peças devem ser mantidas longe do contato com umidade ou poeira.

Não misture os materiais elétricos

Cada categoria tem uma especificação para ser guardada, então, nada de misturar os materiais. Os cabos devem ser guardados junto a outros cabos; e as tomadas, com outras peças afins.

Além disso, todos os materiais elétricos devem estar em suas embalagens originais, pois demandam cuidados específicos de manuseio, respeitando-se as normas de segurança.

Mantenha tubos e conexões longe do sol

Tubos e conexões de PVC devem ficar protegidos da ação do sol. A melhor maneira de armazená-los é em locais fechados, ou que sejam, pelo menos, cobertos. Os tubos podem ser empilhados lateralmente, mas as pilhas não devem ultrapassar 1,80 m de altura.

Se a quantidade for pequena, uma boa dica é guardá-los em prateleiras, organizando o estoque de acordo com as bitolas e tipos de conexões. Mantenha os itens em suas embalagens originais para evitar extravio ou dano.

Guarde barras de aço em locais secos

Barras de aço devem ser guardadas em locais secos e protegidos das intempéries climáticas. Caso você ainda não tenha um local definido para isso, dá para deixá-las expostas por um tempo máximo de 90 dias.

Você também pode empilhá-las lateralmente em prateleiras ou no piso, mas nunca em contato direto com terra ou sujeira.

Cubra areia, brita e telhas com lonas plásticas

Esses materiais para reforma devem estar muito bem protegidos da umidade e da ação do vento, principalmente a areia. De preferência, guarde-os em locais planos e cobertos. Mas, caso seja inevitável deixá-los em áreas abertas, cubra-os com lona plástica para evitar danos e contaminações.

Dê atenção especial para o posicionamento das telhas, que devem ser empilhadas verticalmente, com a parte superior voltada para baixo e em até três filas sobrepostas. Se necessário, forre o chão para evitar contato com terra ou barro.

Armazene as tintas em locais ventilados

Em geral, tintas contém solventes inflamáveis na composição, por isso é fundamental guardá-las em locais arejados e cobertos, além de mantê-las longe de materiais combustíveis. É possível empilhar até dez galões ou cinco baldes de 18 litros. Mas atenção: o ideal é comprá-las somente na fase de acabamentos da obra, para não correr o risco de perder a validade.

Outra dica importante é fechar corretamente a lata de tinta depois de manuseada. No momento da pintura, retire apenas a quantidade a ser utilizada e feche a embalagem em seguida, limpando os resíduos que ficaram do lado de fora.

Se você guardar a lata suja, isso vai impedir o fechamento completo da tampa, permitindo a entrada de ar na embalagem, o que estraga a tinta muito antes do prazo de validade.

Estoque a madeira em locais fechados

Por ser um material nobre e delicado, a madeira não deve ficar exposta às intempéries climáticas em meio à execução da obra. O mais recomendado é guardá-la em locais cobertos e fechados, sempre em pilhas horizontais e com poucas toras, pois o excesso de peso pode danificar o material.

Evite retirar as louças sanitárias da embalagem

Essas peças são frágeis e somente devem ser retiradas da embalagem original no momento da instalação, sob o risco de sofrerem riscos e abrasões. Caso você tenha comprado as louças sanitárias muito antes da fase de acabamentos da obra, escolha um local seco e coberto para armazená-las até a instalação.

Já os vidros do banheiro e dos demais ambientes não devem ser armazenados. Via de regra, os vidros devem ser adquiridos somente na fase de acabamento. Isso evita danos às peças e mantém o canteiro de obras mais seguro.

Onde guardar os materiais para reforma?

Ok, sabemos que reforma dá trabalho e que nem sempre sobra espaço para armazenar corretamente todos os materiais. Mas existem alguns cantinhos milagrosos que podem auxiliar na tarefa. Confira!

Garagem e porão

Para quem mora em uma residência mais ampla, com garagem ou porão, a primeira opção que vem à cabeça é armazenar os materiais nesses espaços. Sem dúvida, é uma boa alternativa, mas o local não pode ficar abandonado e sem cuidados, pois isso atrapalharia a conservação dos materiais.

Antes de usar a garagem ou porão como estoque, certifique-se de que não há umidade, sujeira ou animais nocivos no ambiente, como ratos, escorpiões e baratas. Além disso, se a garagem não for tão espaçosa, redobre a atenção na hora de manobrar o carro para não acabar batendo nas peças. Itens delicados, como telhas, cerâmica e azulejos, não suportam pequenos impactos.

Área externa

As áreas externas da casa, como um quintal com espaço vago, também podem abrigar os materiais para reforma. Mas é preciso ter cuidado com os itens que você vai deixar ali, já que a área externa sofre a ação constante de chuva, sol e ventanias.

Se a ideia é aproveitar o espaço da área externa, faça uma boa proteção com toldos ou lonas. Se houver uma varanda coberta ou área de churrasqueira, é preferível deixar os materiais ali.

Self storage

Essa é uma solução muito inteligente para guardar materiais para reforma. Para quem não conhece, o self storage — ou autoarmazenamento, em português — é uma opção de depósito de coisas para quem está sem espaço em casa ou no trabalho.

As empresas que trabalham com esse tipo de solução disponibilizam boxes de tamanhos variados para estocagem, de acordo com a sua necessidade. Esse serviço oferece muitas vantagens, conforme você conhecerá a seguir.

Mais limpeza e ampla segurança

As condições de acondicionamento são as melhores possíveis, garantindo que os materiais de construção ficarão preservados. A prestadora desse tipo de serviço faz a limpeza e a dedetização dos espaços constantemente — e ainda os deixa livre da umidade.

Além disso, os galpões dispõem de monitoramento 24h e o acesso aos boxes é controlado eletronicamente, de modo que só você ou alguém de sua confiança poderá acessá-los.

Aluguéis pelo exato tempo de uso

Geralmente, o contrato de aluguel de um self storage é bastante flexível, sem a necessidade de fiador ou tempo de fidelidade. O cliente paga um valor mensal e tem acesso aos objetos quando desejar. O preço é justo e o custo-benefício garantido, já que investir em um estoque seguro pode valer muito mais do que o eventual prejuízo com os materiais estragados.

Boxes do tamanho da sua necessidade

O tamanho do box varia de acordo com o que você pretende estocar. No caso dos materiais para reforma, você encontra desde boxes pequenos a extensos galpões para coisas de maior volume. Normalmente, o valor do aluguel não é baseado no tipo de item armazenado, mas, sim, conforme o tamanho do espaço que você alugou.

Se você não quiser investir em mais de um box, considere reorganizar as áreas externas. Se depois da obra você estiver em dúvida com o que fazer com as sobras de material de construção, uma boa ideia é doá-los para instituições filantrópicas que atuam na construção de creches, abrigos ou áreas de lazer. Já pensou nisso?

Com essas dicas, ficou fácil armazenar seus materiais para reforma sem o risco de prejuízo e desperdício. Agora é só fazer a lista de material de construção, estocar tudo nos conformes e mãos à obra!

Gostou do post? Então, aproveite e assine nossa newsletter para receber mais conteúdos como este!